E o pranáyámá, como pode ser ensinado as crianças ?

 Mauricio Salem

 

Para responder esta pergunta é necessário verificar tempo, lugar e circunstancia ao aplicar o “pranáyámá” às crianças, afinal a primeira coisa que fazemos ao nascer e respirar, só depois disso e que choramos.

 

É necessário tambem verificar o histórico da criança, ou da turma de crianças, para poder inserir a técnica mais adequada, manter esta técnica por um período regular de aulas, para assim poder avançar para outros graus.

 

Muitas pessoas fazem misturas entre técnicas mais tradicionais de pranayamas e os processo ligados à correta educação respiratória,ou uma respiração sem vícios. Muitas técnicas de pranayamas estão ligadas a esta ultima como etapas para técnicas mais elaboradas que aprendemos quando estamos mais velhos. Estas ultimas se ligam aos Vayus internos que compõem nosso corpo sutil e são os elementos a serem dominados descritos na maioria dos shastras do yoga.

 

Devemos compreender os graus de pranayamas descritos por Patanjali, Nos Sutras vemos os pranayamas descritos em etapas os sutras ( II , 49 e 50 ) nos apresentam:

 

 

E mais a frente nos sutras ( II, 51 a 53) nos apresentam o pránáyámá da seguinte forma:

                       

  

 

O Trabalho respiratório com as crianças menores de 07 anos é um preparatório para estas etapas, com exercícios e atividades para coordenar as etapas da respiração, baixa Adhama, média Madhyama e alta Uttama. Desenvolver a compreensão da exalação mais demorada que a inspiração, Retenções com ar Kumbhakas e sem ar Shunyakas  entre outras coisas, criando a base futura para a compreensão dos pranayamas como ativação da Kundaliní e o Dháraná para meditação.

 

Basta lembrar que em alguns yogashalas, ashram’s, templos hindus e budistas, na índia e fora dela. Encontramos a iniciação à meditação raja yoga, pranáyámá, e hatha yoga, com crianças apartir de 08 anos A grande maioria inicia o estuda da hatha yoga começando por asanas e posteriormente o pránáyámá, pela sua definição clássica.

 

Compreender o ritímo do prana é comunicar-se com o mundo. O trabalho dos exercícios respiratórios e dos pranayamas contribuem bastante com a questão da fonética. A respiração correta nos ajuda na questão da fala, desenvolvendo as áreas motoras, cognitivas, social e o desenvolvimento da linguagem das crianças.

 

 Toda exalação do ar através da boca é a base da fala então, se dominamos a exalação do ar de nossos pulmões, dominamos a forma como construímos as palavras com mais clareza. Diversos casos de timidez estão ligados a formas inadequadas de exalação e pronúncia do som. Uma criança que não é ouvida por causa de uma fala complicada, fica inibida para falar e se expressar criando a partir disto um hábito mental, de medo e receio em se expressar. A prática do Yoga aplicada ao uso de música, mantra yoga e canções e cantigas, bem como o “Nada Yoga” (Yoga do som), cria um recurso de compreensão e combate a timidez.

 

Mas lembre-se que todo mundo já foi criança um dia. Este tipo de aprendizado é o suficiente para que surja muitas percepções, na forma de ver o mundo que nos cerca. Quanto melhor for o desenvolvimento e coordenação da respiração mais fácil será para criança, futuro adolescente e adulto compreender o pranáyámá e a meditação.

 

Harih Om

Mauricio

 

——————————————————————

Mauricio é um dos editores do site www.yogaeduc.com.br . Se desejar mais informações ou comentar o texto envie um e-mail para contato@yogaeduc.com.br